Treinamentos baseados em habilidades e competências

Se você treina seus colaboradores sem mapear suas habilidades e competências, é melhor pensar duas vezes!

É importante saber que o investimento na área de treinamentos da sua empresa é bem aproveitado somente quando a capacitação preenche as lacunas de conhecimento dos aprendizes. Para isso, os resultados dos treinamentos vão depender essencialmente do diagnóstico de onde seus colaboradores precisam se desenvolver.

Neste artigo vamos te apresentar como mapear habilidades e competências, diagnosticar necessidades e medir a aprendizagem dos seus colaboradores de maneira simples e eficaz para orientar seus treinamentos. Vamos lá?

Mapeamento e diagnóstico

Alguns processos de mapeamento e gestão utilizam a metodologia CHA (Conhecimento, Habilidades e Atitudes). Esse pode ser um bom ponto de partida para você entender as competências dos seus colaboradores, em especial por trabalhar os três pontos cruciais para o bom funcionamento de uma empresa:

  • C – O quanto seu colaborador conhece da sua empresa e dos processos mais técnicos do trabalho?
  • H – Quais as habilidades que o permitem aplicar todo esse conhecimento teórico de forma técnica no dia a dia da sua organização?
  • A – Quais as reações comportamentais do seu colaborador em situações positivas ou negativas? E o quão motivado ele está para agir?

Para o mapeamento, é possível utilizar as perguntas acima e aprofundá-las no contexto do seu negócio, de forma a criar uma avaliação que de fato contemple as três frentes da metodologia CHA.

Exemplo prático – Mapeamento
No mapeamento de uma indústria, por exemplo, é possível segmentar e enquadrar questões a serem respondidas pelos colaboradores em cada categoria da seguinte maneira:

– Avaliar teoricamente o conhecimento sobre a cultura da empresa, NRs, fluxos e operações, segurança do trabalho, usos e tipos de matérias-primas, entre outros;
H – Realizar testes para descobrir o quão capacitados e confiantes os colaboradores estão para utilizar as máquinas e realizar os processos de produção, de acordo com todas as diretrizes necessárias;
A – Apresentar situações positivas e negativas do cotidiano e avaliar o nível de concordância do colaborador com cada uma, de acordo com uma escala:

|Discordo totalmente | Discordo | Neutro | Concordo | Concordo totalmente|


A grande importância de se levantar esses dados a partir das questões teóricas e práticas está na diferenciação que você pode obter das respostas (necessidades individuais) e nos pontos em comum entre elas (necessidades globais do grupo). Assim, você consegue diagnosticar e direcionar os treinamentos que farão a diferença para cada colaborador – sem redundância no conhecimento e habilidades que cada um já possui -, além de poder entender e alinhar aspectos para melhoria da própria gestão e da organização.

Também é válido ressaltar que é a empresa ou departamento que definirá quais conhecimentos, habilidades e atitudes fazem mais sentido para o seu propósito, bem como quais as escalas, os níveis e quantidades de níveis serão utilizados no mapeamento.

Exemplo prático – Diagnóstico

No exemplo da nossa indústria, o diagnóstico pode levantar onde estão os erros e desperdícios nos processos de produção, ao perceber lacunas de conhecimento e habilidades em alguns dos colaboradores. Nesse caso, podem ser direcionadas trilhas de aprendizagem específicas para cada um, como forma de amenizar essas necessidades. 

Além disso, o diagnóstico trará uma visão comportamental dos seus colaboradores dentro da indústria, abrindo para a oportunidade de desenvolvimento e aperfeiçoamento através de treinamentos desses aspectos também.


Avaliação da aprendizagem

Se diagnosticar competências para direcionar a solução do problema é importante, saber se essa solução tem de fato ajudado é ainda mais! Afinal, seus resultados dependem da efetividade das suas ações na empresa – que precisam ser medidas para serem gerenciadas e melhoradas constantemente.

Uma boa ideia para avaliação da aprendizagem é refazer as perguntas do primeiro mapeamento de competências, mas em ordens e formatos diferentes – assim você consegue checar novamente se o conteúdo foi condicionado pela questão, apenas reproduzido ou de fato aprendido. Você pode optar por questões alternativas, dissertativas e de múltipla escolha, além de acompanhar presencialmente a prática das habilidades.

Uma vez que o colaborador esteja alinhado com a empresa, motivado e executando os processos de forma ágil e eficaz, novos treinamentos baseados em habilidades e competências podem ser agendados periodicamente para garantir que nenhuma boa prática deixe de fazer parte do seu dia a dia.

Dica importante!

Após os treinamentos, a avaliação vai te mostrar também possíveis melhorias nos seus planos de capacitação: falta de clareza e dinamismo das aulas, conteúdo superficial ou pouco objetivo e baixo engajamento são desafios comuns a serem superados nos seus conteúdosAfinal, onde há lacunas de conhecimento de um colaborador já capacitado, há também no potencial de aprendizagem de um treinamento.


Otimização da gestão de treinamentos

O mapeamento, diagnóstico e avaliação – como etapas da gestão de treinamentos de uma empresa – costumam ser complexos e demorados pelo volume de dados que os responsáveis por essa gestão precisam lidar. Mas isso não precisa ser assim!

Existem inúmeras ferramentas que facilitam e otimizam esses processos de maneira detalhada e diferenciada, como planilhas de mapeamento de competências ou uma Plataforma de Gestão da Aprendizagem – de todas as possibilidades, o recurso que mais apresenta efetividade em todas as etapas.

A ferramenta on-line permite avaliar todos os colaboradores de maneira completa, localizar onde está a maior necessidade de aprender em cada um e recomendar conteúdos adaptados, direcionados ao seu desenvolvimento:

  • Avaliações para identificar de maneira detalhada quais as necessidades de desenvolvimento;
  • Testes personalizados – com diversas modalidades de questões – de acordo com os processos de trabalho e cultura organizacional das empresas;
  • Otimização de tempo para correções e análise dos treinamentos;
  • Diferentes formatos de conteúdo para a disponibilização de treinamentos mais dinâmicos e engajantes;
  • Notas individuais ou em turmas;
  • Pesquisa em massa sobre o ambiente de trabalho e satisfação dos colaboradores em relação a empresa;
  • Liberação de novos módulos de treinamentos de acordo com a nota atingida na avaliação anterior;
  • Possibilidade de separar colaboradores em grupos para treinamentos mais direcionados;
  • Relatórios de evolução da aprendizagem e desenvolvimento;
  • Gestão de treinamentos presenciais;
  • Encontros on-line para mentoria, coaching e feedback.

Na Scaffold, acreditamos que o processo de aprendizagem precisar ser dinâmico, de maneira personalizada às características e necessidades de cada um. Por isso, investimos em soluções que possibilitam disponibilizar treinamentos efetivos, levantar informações, analisá-las e encontrar quais habilidades cada colaborador precisa desenvolver. 

Quer saber mais? Entre em contato com a gente e descubra como podemos facilitar o mapeamento das competências dos seus colaboradores para treinamentos que de fato geram resultados!

Veja também

5 maneiras de amenizar o Turnover dentro da sua empresa

Uma alta taxa de Turnover, ou rotatividade de pessoal, pode afetar a lucratividade, produção e o ambiente organizacional dentro de uma empresa.

5 mitos ou verdades sobre a educação a distância

No dia Nacional da Educação a Distância, separamos alguns mitos e verdades sobre o tema.