Treinamento LGPD: 5 perguntas frequentes para aprendizado e desenvolvimento

Pensando nas mais diversas dúvidas a respeito da nova lei de proteção de dados, respondemos algumas das perguntas mais frequentes em relação aos treinamentos e conscientização sobre a LGPD.

“Essa é uma tradução interpretativa do artigo: GDPR Training: 5 FAQs For Learning And Development,  publicado pela eLearning Industry

[ ] – Atualizações Scaffold para o contexto no BrasilA Lei já está em vigor desde 2018 em muitos países, mas ainda não foi sancionada no território brasileiro.


Muitas coisas foram escritas sobre a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) antes da nova lei entrar em vigor com impacto global em 25 de maio de 2018. Mas, quanto dessas informações são relevantes para os planos de T&D? E quais são exatamente as complicações de treinamentos para as organizações?

Nosso FAQ foi projetado para chegar aos detalhes que você precisa saber. E também, temos algumas estatísticas positivas para você!


1. O treinamento LGPD é um requisito estabelecido para as organizações?

Em diversos casos, sim. No Reino Unido, o Gabinete do Comissário de Informação produziu uma lista de verificação para as organizações, para que os colaboradores possam avaliar o que precisam fazer e o quão longe estão para estarem capacitados para a LGPD.

O número 2.5 na lista de verificação dos tratamento de dados abrange a ‘Proteção de dados desde o planejamento’. Parte deste ‘planejamento’ inclui treinamento de equipes. O número 2.6 cobre treinamentos e conscientização, e pergunta se sua organização está atualizada em “fornecer treinamentos de conscientização sobre proteção de dados a todos os colaboradores”.

Isso pode não se aplicar necessariamente para todos os colaboradores. No entanto, todas as organizações devem garantir e demonstrar que estão tomando as medidas necessárias para cumprir a lei. Isso significa implementar o treinamento da equipe, quando necessário.

O resultado final é que sua organização precisa ser compatível com a LGPD, e isso irá exigir que sua equipe também. No mínimo, esteja atento às regras e como as violações podem ocorrer.


2. Qual é a melhor abordagem para o treinamento da LGPD? Sala de aula ou on-line?

O nível e o tipo de aprendizagem dependem da função do colaborador. Para aqueles que trabalham em funções diretamente relacionadas a dados, uma combinação de aprendizagem híbrida provavelmente seria a melhor opção, e isso pode muito bem incluir a mistura de treinamentos presenciais e aprendizagem digital. Isso irá gerar para os seus colaboradores, a melhor chance de desenvolver o conhecimento necessário para implementar as práticas recomendadas de LGPD de maneira eficaz dentro da sua organização.

Para todos os outros colaboradores, o treinamento digital oferece vantagens em termos de flexibilidade, alcance e engajamento. Este grupo de baixo risco requer os fundamentos da LGPD; para que estejam cientes dos riscos e tenham a confiança para “disparar o alarme” para evitar possíveis violações. Para este grupo, não é prático participar de uma sessão em de sala de aula presencial, então uma a opção digital faz todo o sentido. Um modelo de jogo gamificado sobre LGPD é um bom exemplo, fornecendo treinamentos de nível de conscientização de uma maneira memorável e fácil de usar.


3. O que você pode fazer para tornar o treinamento LGPD interessante para os colaboradores?

Para incorporar o aprendizado aos colaboradores-chave, ele precisa ser contínuo, reforçado e atualizado quando necessário. É sobre transmitir o conhecimento de maneira profunda e reforçá-lo constantemente. Mas precisa ser envolvente, caso contrário, vai parecer apenas conteúdos se repetindo! Uma plataforma de microlearning é ideal para a parte de treinamento contínuo, oferecendo pequenos formatos de conteúdos reforçados de uma forma que envolva os colaboradores.

Para as outras equipes, um jogo que incorpore desafios e “níveis”, permite que eles pratiquem diferentes cenários de risco com segurança. O aprendizado social e colaborativo também é bom, permitindo que seus colaboradores ajudem uns aos outros (e se divirtam ao longo do caminho).


4. O que acontece após o prazo de 25 de maio [a sanção da lei no Brasil]?

Se você deseja construir uma cultura de compatibilidade com a LGPD depois de 25 de maio [da sanção da lei no Brasil], então as pessoas vão precisar continuar aprendendo. É um caso de reforço e atualizações contínuas, motivos pela qual o aprendizado ágil, adaptável e flexível é a solução. Claramente, um documento enorme com centenas de páginas não é a melhor opção. A aprendizagem digital atualizável, junto com eventos presenciais, são os pontos centrais de atualização.


5. O treinamento LGPD é algo bom?

Sim! E não apenas para garantir o cumprimento da lei. De acordo com pesquisas feita por especialistas em informação da Veritas, a grande maioria está usando a LGPD como uma força para o bem.

O relatório da Veritas diz que os empregadores estão olhando acima e além do desejo de simplesmente evitar penalidades severas por não comprimento da lei. A LGPD está impulsionando mudanças culturais, com as organizações reconhecendo que o comprimento da lei faz sentido para sua credibilidade e posicionamento.

Entre as descobertas estão:

  • 95% enxergam a LGPD como algo positivo, pois melhora o tratamento de dados, constrói a reputação da marca e gera mais insights;
  • 88% planejam motivar mudanças no comportamento dos colaboradores para ajudar a mão-de-obra ser mais responsável pelo cumprimento da lei LGPD.

Fonte:
eLearning Industry: GDPR Training: 5 FAQs For Learning And Development

Veja também

5 maneiras de amenizar o Turnover dentro da sua empresa

Uma alta taxa de Turnover, ou rotatividade de pessoal, pode afetar a lucratividade, produção e o ambiente organizacional dentro de uma empresa.

5 mitos ou verdades sobre a educação a distância

No dia Nacional da Educação a Distância, separamos alguns mitos e verdades sobre o tema.